domingo, 23 de novembro de 2014

Parem o tempo!



A fase está tão boa, não dá para parar o tempo não?

Maria Alice e Tarsila têm cinco e (quase) três anos de idade no momento. Tão puras, tão tão meigas, tão carinhosas e tão felizes! Não dá para parar o tempo e eu viver esse período com a família para sempre?

Cada dia que seja, um após o outro, curtindo minhas filhas nessa idade em que elas reúnem o melhor da sua inocência infantil e bastante percepção do mundo. Para mim já bastava.

Maria Alice então, com seus cinco anos de idade, é quase que como uma pequena adulta. Mas sem a malícia, os desgostos que a gente tem. E um coração tão puro, tão bom.

Tarsila ainda está aprendendo, saindo da fase de bebê agora, criando suas histórias de fantasia, vivendo seu mundo todo a parte, aprendendo a pular e gastar sua energia como toda garota sapeca.

E as duas brincando uma com a outra, se agarrando, se jogando, se inventando. Brincando com as primas, brincando com os avós, com os amiguinhos.

Eu às vezes me pego sozinho olhando as meninas e pensando justamente isso: vai passar. Não dá para o tempo parar? Eu só queria isso...

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Puxa Vida!


Dezoito de agosto. Cinco anos atrás, nascia Maria Alice Paixão Vergueiro, a primogênita da família, a primeira a ser amada.

O tempo passa, é claro, e o amor só cresce. Impossível não olhar para essa menina e não conseguir ser apaixonado por ela. Seu gênio, seu jeito, seu sorriso.

Queria que o tempo parasse. Se eu pudesse pedir algo a Deus, "só" pediria isso: pare o tempo, deixe minhas meninas como estão!

Cinco anos já se foram, outros muitos eu espero. De hoje até a eternidade.

Parabéns Maria Alice. Papai te ama demais!

domingo, 27 de julho de 2014

Fada do Dente


Com um ou dois anos de antecedência, a Fada do Dente veio visitar Maria Alice. E não uma, mas duas vezes.

Ah, que delícia para as crianças! Mamãe Paixão, como sempre muito criativa, fez cartinha, colocou dinheiro em baixo do travesseiro, tornou um acontecimento supostamente mundano em um rito de passagem infantil. E Tarsila já está esperando a sua vez.

Muito bacana, e Maria Alice adorou. Eu, como todo bom pai covardão, não consegui nem olhar direito para o dente que, primeiro ficou mole, e depois caiu naturalmente.

No começo até pareceu estranho os dois dentes moles. Achávamos que tinha batido em alguma brincadeira. Mas um raio-X logo confirmou: tem dois dentões vindo por aí. Daqueles eternos...

* * *
Ei o blog tá vivo, viu gente? Eu sumi só, mas as garotas estão aí, crescendo cada vez mais lindas e maravilhosas!

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Reunião de Pais


Hoje fui à reunião de pais da turma da Maria Alice.

Ahhh, quanto tempo faz que não ia a uma reunião dessas? Uns três anos, talvez? Sempre trabalhando, sempre ocupado... e não perdendo nada! Mas que coisa chata!

É pai querendo falar sobre o problema específico que seu filho tem, ou que ele fica tagarelando com outra criança, faz bagunça, não aceita "não" em casa, etc. e etc.

É a professora falando de como vai cuidar bem das crianças, da fase da vida em que elas estão, e eu só pensando em ir para casa logo e resmungar aqui no blog.

Mas vá lá, não foi de todo mal ir na escola hoje: descobri que eles têm o "ajudante do dia". O ajudante do dia é uma criança que que apoia a professora nas atividades com os demais "aluninhos". Uma por dia, uma por vez.

Isso é bacana e ensina responsabilidade. Mas não é por isso que eu gostei: é que lembrei de quando eu era criança e adorava a minha vez de ajudar, adorava receber elogios por um trabalho bem feito. Sim, meu ego gostava de um "lustre" desde aquela época. E acho que com a Maria Alice não vai ser muito diferente não..

domingo, 12 de janeiro de 2014

Desmame


Fazer dois anos de vida marcou a pequena Tarsila, e não propriamente pelo aniversário, mas porque coincidiu com o período de desmame dela. Ufa!

Mamar, toda mãe sabe, é bom e faz bem para o bebê. Incentiva-se o aleitamento materno pelos dois primeiros anos de vida dos bebês, e aqui em casa seguimos a risca a recomendação, ainda que involuntariamente. As meninas simplesmente não paravam de mamar, e foram crescendo com isso.

Mas o fato é que a partir de certo momento na sua vida, já mais desenvolvidas e conscientes do que está ao seu redor, mamar tinha se tornado menos uma necessidade das meninas e mais uma distração para elas, uma forma de chamarem - e prenderem - a atenção da mãe. E para Tarsila tinha chegado a hora de parar.

Ela sofreu, é verdade. É a famosa "saudade do peito". Passadas já algumas semanas ela ainda sente saudades, mas percebe-se que está muito mais solta e à vontade pela casa, sem fazer tanta birra como antigamente. A única coisa que não mudou, por enquanto, foi o apego dela à mãe. Como gosta da mãe essa menina!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

2 anos de Tarsila


O texto de hoje não é meu, é da poeta Mamãe Paixão (mais uma das suas múltiplas qualidades), uma homenagem ao aniversário da Tarsila!

Dois anos de Tarsila!!!!! Parabéns....

''Olhe bem no fundo dos meus olhos
E sinta a emoção que nascerá quando você me olhar
O universo conspira a nosso favor
A consequência do destino é o amor, pra sempre vou te amar

Mas talvez, você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor, não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar''

(Em tempo: após a publicação deste post descobri que, na verdade, Mamãe Paixão não tinha, desta vez, criado uma poesia nova - é parte de uma música do Nando Reis. A homenagem, porém, permanece!)

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Habemos Domum


Passadas quatro semanas no novo lar, podemos finalmente dizer: Temos Casa!

Os Paixão Vergueiro se mudaram no início de novembro para o lar próprio, cumprindo o tão esperado sonho da classe média. Agora as meninas e o têm um quintal imenso para brincar, e os pais têm uma dívida de 40 anos pela frente.

Bem, vantagens e desvantagens.

Mas a verdade é que a casa nova, apesar de tudo, é muito melhor para todos nós. Também reúne tudo aquilo que eu e Mamãe Paixão queríamos, que é espaço, espaço e espaço. São cerca de 210 metros quadrados em uma residência térrea, perto do metrô, com a vizinhança tranquila (e os mesmos problemas de insegurança das demais vizinhanças, naturalmente).

Para as meninas, muitas novidades: um porãozinho, uma parede de azulejos para pintarem, um quintal espaçoso, um quarto gigantesco, casa de madeira, estante de brinquedos, etc.

Para o Papai aqui, muito espaço para chamar os amigos ao já não tão-tradicional poker de sempre, além de dois banheiros (sim, faz diferença na vida de um homem ter um banheiro para si e outro para as crianças).

Para a Mamãe, a oportunidade de montar a casa da família como bem entender, sem um chato implicando: a casa é dela, a única restrição é financeira, mas a criatividade é livre!

Agora é aproveitar os próximos muitos anos de vida na casa nova. Que não será mais nova, mas será sempre nossa. E lá vamos nós!

sábado, 26 de outubro de 2013

Ela se foi


Mamãe Paixão fez a mala e se foi para Fortaleza. Partiu, me deixando em casa com as meninas. Se foi, se foi... 

...até segunda- feira, quando retornará do Ceará, onde está para facilitar uma sessão de arteterapia durante o Convocc - Congresso Nacional de Voluntários e Instituições de Apoio à Criança e ao Adolescente com Câncer.

Em quase cinco anos desde que se descobriu grávida da Maria Alice, nossa primogênita, é a primeira vez que Mamãe Paixão tem um tempo só para ela, livre de outras preocupações.

Sozinha mesmo, sem as meninas, sem pressa e sem estresse, pelo menos durante o final de semana quando estiver por lá se divertindo e pegando uma praia.

O maior desafio é a Tarsila. Com um ano e dez meses de vida, a caçula ainda mama muito, e acorda durante a noite para mamar. Como vamos fazer nesses três dias sem a Mamãe? Ai sofrimento! Mas, não sei, pode acontecer uma surpresa e ela não dar trabalho algum. E Vovó Paixão também está por aqui para ajudar, o que é um grande alívio.

Bem, vamos ver. Mamãe Paixão estava feliz por ter um tempo para ela, só dela, algo tão impossível nesses últimos cinco anos. É para aproveitar e voltar renovada.

Enquanto isso, nós vamos nos virando por aqui. Vai dar tudo certo!