sexta-feira, 31 de julho de 2009

Hospitais - Quase lá

Ainda não definimos um hospital para Maria Alice.

Ai.

O plano médico de Mamãe Paixão não prevê o Santa Joana. Não percebi isso antes, marinheiro de primeira viagem que sou, e não mudamos o plano a tempo. Agora temos que nos contentar com um outro padrão - a não ser que eu tivesse seis mil sobrando no banco, o que não é o caso.

Ficamos de visitar outros hospitais na região para encontrar um adequado. Íamos eu e Mamãe Paixão, mas ela se adiantou e os visitou sem mim. Agora no trabalho aperta de novo (passou julho) e não terei mais oportunidade. A escolha será só dela.

O plano é de enfermaria, mas há a opção de se transformar em quarto individual, caso contrário não poderei acompanhá-la. Há custo para isso - inclusive para a médica, ai ai, que fará o parto, normal ou cesária - mas nesse caso compensa e não é tão abusivo.

SEPACO, Santa Helena e Santa Marina são as opções. O terceiro hospital está praticamente descartado. O primeiro teve boa chance hoje, mas deu informações erradas, furou com a gente. Agora temos que escolher. Ou então Maria Alice vai acabar nascendo no Metrô, já que Mamãe Paixão não sossega não.

O que fazer?

- Quando a mulher, grávida de 9 meses, diz que vai à 25 de março trocar produtos?

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Listis de Roupis

Estamos quase definindo o hospital. É, falta menos de um mês para Maria Alice chegar, mas ainda não acertamos exatamente em que lugar ela nascerá.

Mas tudo bem, isso é assunto para outro post.

O que me intriga neste momento é a lista de roupas e itens que temos que levar para a maternidade antes do parto. Segue a relação de um dos hospitais:
  • 6 conjuntos de pagãos ou body;
  • 1 cobertor de algodão;
  • 1 manta;
  • 6 macacões RN, com abotoamento frontal;
  • 2 casacos de lã (evitar lã felpuda ou sintética para o bem-estar do bebê);
  • 6 calças com pezinho (mijão);
  • 01 pacote de fralda descartável tamanho P.
Ok. Um cobertor eu entendo. Uma manta também (há muita diferença entre eles?). Um pacote de fraldas P, tudo bem, tá certo.

Mas e os seis conjuntos de bodys, calças e macacões? E os dois casacos de lã? Dois casacos de lã? Mal nasceu e já tá desfilando moda pelo hospital? Ah mulheres...

Sei não, tô achando que a Maria Alice vai ter que se contentar com apenas um casaco e olhe lá.E vamos ver ainda esses seis tudos. Precisa mesmo, gentis?

terça-feira, 28 de julho de 2009

Mosquiteiro

Terminou há alguns dias uma pesquisa de opinião neste blog sobre a utilização do mosquiteiro no berço, se seria importante ou não para a bebê.

A maioria dos manifestantes apresentou posição pró-mosquiteiro. Soy contra.

Sou contra por dois motivos específicos: 1) não há mosquitos em casa (isso ninguém tinha como saber mesmo) e 2) acho bacana o bebê desenvolver desde cedo alguma resistência física às picadas.

Maria Alice, saibam vocês, não será uma menina super-protegida pelos seus pais. Queremos mais é que ela saia por aí, aprenda a correr, a se virar, a se desenvolver sem um zelo excessivo da nossa parte.

Nascendo saudável, e assim Deus o quererá, não precisará de remédios, de purificadores de ar, de restrições alimentares, de dietas macrobióticas, etc. Vai ralar o joelho mesmo, e aprender que se a gente coloca a mão no fogo ela queima. Ação e reação.

Por isso a questão do mosquiteiro. Toda essa volta só pra falar do mosquiteiro. Do meu ponto de vista, uma picadinha ou outra, não fará mal. Eu mesmo, em casa, não vejo pernilongos há meses. Acho que Maria Alice vai se virar bem com eles, pode apostar!

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Independência

É, a questão da criança estar dentro da barriga da sua mãe é que é esta quem controla tudo, a gente só fica observando.

Mamãe Paixão é extremamente independente e isso me agonia bastante às vezes. Fica trabalhando em casa, quando acordo já lavou a louça, tá lavando roupa, limpa a casa, vai pra rua. Quando sossega, fica entediada. Mas o corpo sente, não dá jeito.

No começo eu não ligava muito, o tempo passou e vou ficando cada vez mais incomodado. Ela ainda trabalha fora, mas isso já tá diminuindo e semana que vem já deve zerar. Ainda dirige, mas vamos vender o carro. Sobe as escadas várias vezes ao dia, mas quero diminuir esse ritmo.

Não recebi a autorização do empregador para ficar 30 dias de férias em casa quando Maria Alice nascer. Insensibilidade e quebra de confiança, pois havia sido avisado em janeiro. Então preciso aproveitar todos os momentos. E aumentá-los até.

Mas o homem só existe para acompanhar a mulher, não tem jeito. Por enquanto é ela, só ela. Minha hora tá chegando!

sábado, 25 de julho de 2009

35ª Semana

Quase nove meses de gravidez, tá chegando a hora.

Voltei hoje de manhã de uma viagem a João Pessoa, onde palestrei sobre RH e ONGs para estudantes de Administração. Foi legal, gostei. No retorno a Recife, onde pegaria o avião para São Paulo, fiquei oito horas na estrada por causa de um acidente na BR. Tragédia, seis mortes. Eu perdi o vôo e gastei mais dinheiro. Tudo bem, faz parte, o resultado final foi alcançado de qualquer forma: estar de manhã com Mamãe Paixão.

São trinta e cinco semanas de gravidez pela contagem oficial. Para nós, parece mais.

A barriga dela está enorme, de surpreender qualquer um que não a tenha visto recentemente. São 10 quilos a mais de líquido e Maria Alice dentro da mamãe. Sua respiração mais difícil e complicada. Tem que ficar sentada algumas vezes para conseguir respirar melhor, porque deitada incomoda.

Seu ritmo é lento, muito lento. Tudo o que fazia em determinado tempo leva agora pelo menos três vezes mais. Difícil acompanhar, mas fácil de entender.

Sua médica assustou com as contrações que Mamãe Paixão continua tendo, bem como com o tamanho da sua barriga, que endurece de tempos em tempos. Já estamos nos acostumando.

Pequena Maria Alice não está pronta para nascer ainda, tampouco há alguma dilatação a ser observada, segundo a médica. Mas tá parecendo que vem a qualquer momento, não para de se mexer e se fazer sentida por nós dois.

Está chegando a hora, sabemos. Como fazer contagem regressiva para um dia que você desconhece? Pode ser a qualquer momento - e eu não viajo mais até lá, nem por algum tempo depois.

Vamos aguardando, percebendo os sinais, tentando estar preparados para o grande dia. Maria Alice vem aí!

quarta-feira, 22 de julho de 2009

1.317

O número acima é a soma total de fraldas descartáveis que ganhamos até agora.

Não compramos uma unidade qualquer, foram todas nos presentadas pelos amigos. Fraldas de todos os tamanhos, RN, P, M, G (existe XL? acho que tem algumas) e de marcas distintas, a grande maioria de ótima qualidade.

Como pai de primeira viagem não sei dizer se 1.317 fraldas serão suficientes para nós. Talvez não. Melhor talvez ter pelo menos umas 3.209. Bem, então aí vou ter que correr atrás da diferença...

Ganhamos algumas fraldas de pano também, belos presentes, serão necessárias e com certeza usadas. Mas Mamãe Paixão disse que sou eu que vou lavá-las! Aaahhh!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Chá-de-Bebê da Mamãe Paixão

Sábado (18/07) foi o dia de Mamãe Paixão reunir seus amigos em casa para um chá-de-bebê. Como sempre com muita bebida, comida, alguma jogatina (Wiiiiiiii) e bastante alegria. Foi uma farra só!

Seguem abaixo algumas fotos que recordam essa gostosa tarde/noite na qual fui churrasqueiro designado.










domingo, 19 de julho de 2009

Fotos do Cafofo

Finalmente terminamos o quarto de Maria Alice.

O último toque, a árvore de patchwork, Mamãe Paixão construiu durante a semana e na sexta colamos na parede. Eu ajudei, claro, cortei papelão, tirei adesivos, etc., mas a concepção artística, como não poderia deixar de ser, é toda de Mamãe.

Conheçam um pouquinho, mesmo que a distância, dos cerca de 16 metros quadrados que a pequena Maria Alice terá para chamar de seu:

Visão da entrada do quarto. À direita, a cômoda,
ao fundo a rede e a árvore


A árvore, em destaque

O quarto, com a árvore, a rede, a cadeira de
balanço e o berço


A cadeira de balanço, com almofada
feita por Vovó Purcina


O berço e a temática das girafas.

A bicama da Maria Alice, para quando ela
ficar crescidinha.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Circo é arte

Mamãe Paixão fez um ensaio fotográfico no tecido, a modalidade de circo que ela treinava e se apresentava antes de engravidar e para qual, segundo ela, vai voltar assim que a maternidade permitir.

Olha que mamãe linda!




quarta-feira, 15 de julho de 2009

Saída de Maternidade

Existe o costume na cidade grande, me parece, de comprar para o recém-nascido uma roupinha especial para o momento em que este deixa a maternidade e se muda definitivamente para a casa dos pais. Uma roupa bacana, representando uma situação simbólica: o ingresso no mundo real.

É o que se chama de "saída de maternidade" (ou seria "da maternidade"?).

Coloquei há algumas semanas uma pesquisa no blog sobre o assunto, que mantive até esses dias ainda no ar antes de escrever o post. A maioria dos que se manifestaram disse não saber o que era essa "saída de maternidade".

Eu já sabia, claro, municiado que sou de informações pela Mamãe Paixão.

Ganhamos algumas "saídas" bem legais, bacanas mesmo. Divertidas e bonitas. Servem como roupinha no dia-a-dia também.

A minha dúvida é: por que escolher uma roupa especial para o bebê se só os pais vão vê-lo saindo da maternidade?

A gente lá em casa não tá muito com isso na cabeça nisso não.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Chapeuzinho Vermelho

No sábado (11/07) finalmente compramos o carrinho pra conduzir Maria Alice pelas ruas da cidade. Era a última grande aquisição que faltava fazer, de agora em diante tudo o que precisamos é deixar as coisas prontas para o grande dia: fazer a mala de roupas da mamãe, separar as primeiras roupinhas da bebê, reservar o hospital (tá, isso não é um mero detalhe) e etc.

O carrinho que compramos é vermelho, um Classe 1 da Burigotto, reproduzido na foto acima, de divulgação da própria empresa. Não sabemos se é o melhor carrinho, mas foi o que tinha os ítens que queríamos em um melhor custo-benefício, a saber: alça reversível (para poder andar com o bebê de frente ou de costas), teto solar (pra espionar a criança), bolsos e porta-trecos, suporte pra mamadeira e papinha do bebê, encaixe para bebê-conforto (não são todos que tem isso, curiosamente) e porta-suquinho de maça pro papai (antigo porta-cachaça, nome alterado por imposição materna).

Além disso, cabe no porta-malas do carro e nos agradou o tecido e a cor dele. Mamãe Paixão e Papai Vergueiro, curiosamente, têm opiniões coincidentes em muitas coisas. Como já viram por aqui, não somos tão "padrõezões" assim. Não queríamos um carrinho rosa ou em uma cor mais fria, mas algo mais vibrante. O vermelho caiu como uma luva, nem pensamos duas vezes.

Estou doido pra andar com a Maria Alice no carrinho novo, passear com ela por aí. Ir ao parque, levá-la no supermercado (adoro um mercado!), na Igreja, etc. Bem, na Igreja não sei, não é legal bebês chorando na Igreja. Melhor deixá-la em casa no conforto dos braços da Mamãe. Mas quando crescer vai no estádio com o papai, isso vai!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Menina serelepe


Essa figurinha aí em cima é a Maria Alice, nossa bebê.

A imagem, que assusta um pouquinho mesmo, foi tirada em um ultra-som 4D que fizemos nesta segunda-feira, 06/07, cortesia da Toshiba Medical do Brasil LTDA, empresa onde trabalha a Adriana Silva, aluna da UNIB para quem dei aula neste último semestre e a quem agradeço a gentileza de nos convidar para fazer o 4D.

Infelizmente erramos o mão e fomos fazer o ultra-som quando Maria Alice já estava grandinha na barriga da mamãe. Por isso, não foi possível obter uma imagem colorida de toda dela. Além disso, bem, além disso, Maria Alice é uma menina levada da breca desde antes de nascer.

Estão vendo que ela tá de olhos abertos? É, olhos abertos, dentro da barriga! Como é que pode? Ficamos uma hora e meia tentando tirar uma imagem clara do seu rosto, mas a danada não deixou, se escondia na placenta da mamãe. Quando achávamos que ia dar, lá ia ela se mexendo e atrapalhando tudo. Aaahhh Maria Alice!

Mamãe Paixão acha que ela puxou o meu nariz. Não sei, por essa foto não dá para ver muito, temos algumas outras que vieram no mesmo CD. Ela já está cabeludinha também, e virada pra baixo, como era de se esperar.

Estamos achando que essa garota vai dar trabalho! Mamãe Paixão, quando criança, subia em telhados, pulava muros, estava em todos os cantos e não ficava quieta. Eu era um pouquinho mais retraído, tímido e também fruto de uma educação um tanto quanto mais castradora (no sentido de não poder ir brincar na rua, ter limites, etc.).

Acho que Maria Alice vai mesmo é puxar a mãe... e eu vou adorar!

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Últimas de Alice

Infelizmente não tirei fotos de todo mundo que participou do chá-de-bebê. Não sou bom com máquinas fotográficas, não nos conversamos. Eu não lembro delas, elas não dão bola para mim. Mesmo assim, seguem as últimas recordações do dia:

"Tia Magali" e pequena Stephannye

Ana Estrella e namorado

Crianças: Clara, Isabelle e Stephannye. Mamães: Iara e Nicolle

terça-feira, 7 de julho de 2009

Por dentro do Castelo de Alice

Mais algumas do Chá-de-bebê:

Claudinho, Papai Vergueiro, Andressa e Fernando

Camila e Audrey

Sônia, Natália e irmã

Antônio, Ju Trigo, Dida, Helô e Paulo

Amanhã as últimas!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

A "Caras" de Maria Alice

Abaixo, algumas fotos do chá-de-bebê neste último sábado. Agradeço, mais uma vez, a todos os presentes:

Rafael, Nicolle, Magali e Stephanye, Ju Trigo e Araxá, Isis e André, Paulo e Helô, Carol e Vitor, Dida, João Ramos, Q, Ane, Fernando, Isabelli, Cauê, Alexandre, acompanhado de esposa e filho, Camila e Dudu, Fernando, Andressa, Audrey e Cláudio, Marcos e Camila, Naty, Sonia e irmã mais nova da Naty (esqueci o nome!), Estraviz, Ana Estrella e companhia (também esqueci!), Evandro, Iara e Clara, Luíza e Paty

Valeu gente!

Quelany, Ane e Cauê

Isabelle, filhinha linda da Ane

Evandro, Iara e Clara

Alexandre Carvalho, filho e esposa

domingo, 5 de julho de 2009

Na memória!


Na foto acima, os presentes que Maria Alice ganhou nesse sábado no seu chá-de-bebê, que reuniu aqui em casa amigos e amigas do Papai Vergueiro.

Foram tantos presentes, de tanta gente, que era impraticável abri-los à medida que íamos recebendo os convidados, e muito menos interromper o evento para abrir a todos de uma vez, como me parece que se faz nos chá-de-bebê tradicionais. Hoje de manhã, no entanto, a primeira coisa que fizemos ao acordar foi partir para os pacotes!

Fiquei tenso, fiquei nervoso. Desde sexta já estava irritado tentando deixar tudo pronto para a hora certa. O chá começou, o primeiro convidado chegou, e eu ainda estava indo tomar banho...

Nunca tinha reunido tanta gente aqui em casa em uma única noite - foram 41 pessoas no total - e não estimei com precisão a vazão da churrasqueira. Resultado: a carne demorava para ficar pronta e acabava rápido. Também tinha esquecido de comprar pão. Com a ajuda dos amigos providenciamos uma segunda churrasqueira e as coisas melhoraram um pouco. O pão - e a maionese que Mamãe Paixão tinha preparado pela manhã - também chegou e quebrou o galho.

O Wii fez o seu papel e serviu como complemento à noite. Encerramos o chá-de-bebê jogando Olimpíadas na frente da TV: esgrima, atletismo, remo, etc.

A lembrancinha do chá-de-bebê, idéia também de Mamãe Paixão (eu nem sabia que tinha que dar algo na hora da saída), também foi bem acolhida. Era um delicioso pão-de-mel. Sobrou um, que eu comi, mas alguns convidados foram embora sem ele - não deixem de reinvidicar o seu para o serviço de atendimento ao convidado do Papai Vergueiro.

Para adoçar a vida, e a saída de todos, também tinha paçoquinha, pé-de-moleque e chupetinha doce, daquelas que a gente comia quando era criança. Foi uma farra!

Agradeço de coração a presença dos amigos. Foi uma noite agradável e feliz, para ficar na memória. Muitos não puderam comparecer e mandaram mensagens, que também me deixaram bastante emocionado.

À Mamãe Paixão uma menção especial. Ela trabalhou muito no sábado e exagerou no esforço pra ajudar a deixar a casa pronta para o chá-de-bebê. Fez demais! No final, ainda vimos TV juntos abraçados no sofá, lembrando os bons momentos. Em breve será minha vez de estar ao seu lado quando reunir amigos e amigas. Mamãe é demais!

Nos próximos dias publicarei algumas fotos do chá-de-bebê. Valeu gente!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Hoje faz um ano que parti para uma das viagens mais importantes da minha vida. 365 dias atrás e estava seguindo rumo à Austrália. O que faria lá? Fui participar da Jornada Mundial da Juventude, encontro gigantesco da Igreja Católica que a cada três anos reúne milhares - algumas vezes milhões - de jovens de todo o mundo para celebrar e confraternizar na mesma fé.

Aqueles que me acompanharam durante o colegial e a primeira faculdade, a GV, com certeza não perceberam minhas inclinações religiosas. Nem poderiam, já que depois da minha primeira comunhão (acho que tinha uns 11 anos na época) me afastei quase completamente da Igreja.

Não sei quando e nem o que foi que me fez voltar. Acho que foi quando descobri a filosofia (e não tenho vergonha de dizer que foi com O Mundo de Sofia) e a análise crítica e lógica da realidade.

Incitado a provar a existência de Deus, não tenho meios para fazê-lo, ninguém os tem. Se peço para me provarem que Deus não existe, isso tampouco conseguirão fazer. Se Ele existe ou não é uma questão de crença, não de prova. Eu creio, eu tenho fé.

Minha filha?

Minha filha não terá que seguir religião alguma. Poderá escolher a dela, bem como poderá não escolher nenhuma. Não importa isso. Papai é católico. Mamãe acredita em Deus.

Da minha parte, prefiro que ela absorva mais os nossos valores que a nossa religião. Que respeite os outros, que saiba a importância de ser justa e correta, que tenha o entendimento que por mais que o país inteiro possa vir a ter hábitos culturais indesejados (como achar normal furar fila "já que todo mundo faz e otário é quem fica pra trás" ou guardar lugar em restaurante por quilo, prejudicando os que chegaram antes e não têm onde sentar) ela será diferente, ela saberá aguardar a sua vez.

Que compreenda a vida como um direito alienável, que não pode ser tirado de ninguém independente que seja o motivo. Que participe da democracia como forma de garantia dos direitos individuais, lutando contras as ditaduras e tentações totalitárias.

Que ame o próximo, que pratique a caridade. Que reconheça os seus erros e faça de um hábito a humildade. Que seus pais sejam para ela modelo de ação cidadã e não caricaturas de fervor religioso.

Sua religião virá como consequência, como escolha.

Como católico, sou um pecador. Deixei votos de lado e não segui os mandamentos todos, bem como ainda não realizei um dos sacramentos mais importantes, o do casamento. Isso não me faz menos importante pra Igreja, e o arrependimento verdadeiro reforça os meus laços com a fé.

Como pai, no entanto, não posso errar nem pecar. Já não sou mais eu, agora somos dois. Com Mamãe Paixão três. Agora somos uma família.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Pequena grande lista

Abaixo, a pequena grande lista que foi disponibilizada aos amigos pelo Google docs. De todos, acho que o mais importante pra a Maria Alice é o macacãozinho - ou vestido, tanto faz - do tricolor paulista. Tem que ensinar desde pequenininha...

São 67 ítens, será que esqueci alguma coisa??

1 aquecedor de mamadeiras
2 aspirador nasal (serve para limpar o nariz do bebê (sucção))
3 babador plastificado
4 babadores
5 bico de mamadeira Nuk para água e chá
6 bico de mamadeira Nuk para leite
7 cabides infantis
8 calça enxuta
9 chupeta Fase 01 Marca Nuk
10 chupeta Fase 02 Marca Nul
11 colchonete para carrinho
12 colônia para bebe
13 conjunto de mamadeiras normal
14 conjunto para manicure para bebe (composto por uma tesoura para unhas, um cortador de unha tipo trin e uma lixa)
15 cremes ou pomada para assaduras
16 encosto para cabeça (para usar no carrinho ou no bebê-conforto. feito de tecido, serve para acomodar)
17 escorredor para mamadeiras
18 escova de cabelo p/ bebê
19 escova p/ lavar mamadeira
20 esterelizador de mamadeira
21 fraldas de pano
22 frasqueira
23 garrafa térmica
24 jogo de lençol para berço
25 jogo de lençol para carrinho
26 álcool 70%
27 lancheira térmica para mamadeiras
28 lenços umedecidos
29 loção cremosa
30 loção para limpeza de bebê
31 mamadeira p/ água
32 mamadeira p/ leite
33 mamadeira p/ suco
34 mamadeiras grande (com válvula anti-cólica)
35 mamadeiras média (com válvula anti-cólica)
36 mamadeiras pequena (com válvula anti-cólica)
37 massageador de gengiva (acessório feito de silicone, para massagear a gengiva do bebe)
38 meias
39 mordedor de borracha
40 mosquiteiro
41 óleo p/ bebê
42 óleo para limpeza de bebê
43 pano de boca
44 pente p/ bebê
45 porta chupetas
46 porta mamadeira térmico
47 pratinho de plástico;
48 pratinho( kit para alimentação)
49 protetor de colchão
50 qualquer tipo de roupinha nos tamanhos M ou G
51 regurgitador
52 sabonete neutro
53 saboneteira
54 segura nenê
55 shampoo
56 talco
57 talheres de plástico;
58 termocel
59 termômetro clínico
60 termômetro comum
61 termômetro p/ água
62 toalha banho com capuz
63 toalhas fralda
64 travesseiro anti-refluxo
65 travesseiro anti-sufocante
66 macacãozinho do tricolor paulista
67 sling

Ah, será que esqueci de mandar o convite pra alguém ou alguma lista? É tanta coisa pra fazer por esses dias, ando tão corrido... ai ai!