sábado, 22 de maio de 2010

É fácil ser homem

Se quiser, abandono tudo! Voltar a ser solteiro, a morar sozinho, a ir nas farras, nas baladas, sair para dançar, para namorar. A viajar pelo país, pelo mundo, não ter responsabilidade alguma, preocupações. Evitava trocar fraldas, dormir tarde, acordar cedo, perder a hora, dar remédios, ir no hospital, consultas, clínicas, etc.

Ser homem é fácil. Eu poderia fazer tudo isso, deixar a criança com a mãe e ir curtir a vida. O homem não tem vínculo biológico com o bebê, não dá de mamar, a criança não saiu de dentro dele. Quando covarde, o homem foge e some. Quando responsável, pelo menos ajuda de alguma forma, está presente.

O vínculo do homem com o bebê está no coração, no afeto, no amor. É o sorriso da filha que amolece o rapaz, o choro que o deixa preocupado. O vínculo está no sentimento, no reconhecimento que ser pai é um dom que nos faz partilhar de parte do poder divino de criar, de gerar a vida.

Eu escolhi essa vida, optei que fosse assim e é isso o que quero. Não troco nada do que tenho e conquistei, que são as duas mulheres que amo. Com elas quero ficar e ampliar a família.

É muito fácil ser homem, difícil é ser pai. E eu faço de tudo para que minha filha saiba que tem um que é louco por ela.

Um comentário:

  1. muito bonito...eu penso que voçe e um bom pai pra maria alice. muitos beijos pra a familia enteira de teo i sandra

    ResponderExcluir