domingo, 12 de setembro de 2010

Superego


 1ª cena: Maria Alice ergue uma cadeirinha de plástico com as duas mãos e sai carregando-a  pelo supermercado.

2ª cena: Ela vê um bebê japonês de um ano, larga a cadeirinha e dá um beijo nele (na bochecha, oras!).

3ª cena: Repete o beijo.

4ª cena: Volta para o bebê, mas dessa vez dá um agarrão, aperta e o faz chorar.

*   *   *

Maria Alice não tem superego ainda, é claro. Ela faz o que lhe dá "na telha", na hora que bem quer, sem medir consequência alguma. Aperta os cachorros, mostra a língua, empurra os outros bebês (pobre Bianca, que está com ela na foto e sofreu com isso - não foi por querer!), grita, bate, etc.

E tem o pai dela, este que vos fala. Ele adora todas as traquinagens da filhota. Mamãe Paixão diz que é porque ele também queria não ter superego, e tá aproveitando esses momentos da Maria Alice para se divertir. É verdade, estou me divertindo muito!

Mas chegará a hora em que teremos que ajudá-la a tomar consciência dos seus atos, e aí não vai ter jeito. Ego, superego, inconsciente. Dá-lhe Freud!

2 comentários:

  1. JP, sua filhota tá uma graça, enorme já.
    Felicidade pr'ocês!
    Abraço,

    ResponderExcluir