domingo, 31 de janeiro de 2010

Beethovina

video

Estímulo é a palavra chave.

Sempre que possível, brincamos e estimulamos Maria Alice para que ela vá aos poucos se relacionando melhor com a gente e com o ambiente.

No vídeo dessa postagem, por exemplo, ela está brincando com o teclado da Mamãe Paixão. O teclado foi apresentado à pequena faz duas semanas e só nos últimos dias é que ela passou a entender que o movimento dos seus dedos nas teclas é que causa o som.

Também a deixamos de pé muitas vezes ao dia. Ela ainda não anda, não controla o movimento da perna, mas fica ereta por vários segundos e já faz menção a se levantar, reclamando quando está deitada. Tudo o que fazemos é segurar suas mãozinhas e dar apoio que ela se ergue por conta própria.

Cantar é outro estímulo. Colocamos o DVD do Cocoricó na tevê e vamos longe cantando para ela. Maria Alice ainda não entende a música, mas já faz sons ritmados com a gente. Chuva, chuvisco, chuvarada...

Estou devendo uma leitura para a pequena. Ainda não parei e contei uma história de ninar, ou uma fábula infantil. Mas Maria Alice não fica quieta mesmo, nem para dormir, então para isso acontecer vai demorar um pouquinho.

Por fim, ainda falta estimular a paixão de menina pelo tricolor paulista. Parei de cantar o hino do São Paulo para Maria Alice, tenho que retomar esse costume e "incentivarr" sua escolha.

São pequenas coisas que fazemos. Nem sei se realmente têm diferença no desenvolvimento dela, mas não custam nada para nós e conseguimos interagir melhor com a filhota, além de ficarmos um pouquinho mais felizes cada vez que ela reage de uma forma nova. E assim ela vai crescendo!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Berçário ou não?


Nesse momento, no blog, estou promovendo uma pequisa sobre colocar ou não a Maria Alice no berçário.

- Será realmente importante que a criança frequente um berçário para socializar-se desde já ou é mais reconfortante e humano ter uma babá nos primeiros anos de vida? Ou então tentar esticar o tempo da Mamãe Paixão antes de voltar a trabalhar?

Estamos no momento de discussão sobre o que fazer a partir do sexto mês de vida da Maria Alice. Mamãe quer voltar a trabalhar e até agora fomos beneficiados pelas festas de final-de-ano, o que nos possibilitou ter a família reunida em casa por um período maior.

Logo, no entanto, Mamãe Paixão precisará retomar suas atividades profissionais: musicoterapia e arte-educação, trabalhando com crianças carentes e com pessoas com deficiência mental, além de clinicar.

Ao colocar Maria Alice em um berçário, porém, teremos inúmeras dificuldades. A pequena não pega mamadeira, não pega chupeta, não consegue ficar longe da mãe e só mama no peito! Como fazê-la desgrudar?

Não sabemos ainda a resposta e estamos sofrendo um pouco por isso. Os berçários na região, para completar, também são muito caros.

E aí, berçário ou não berçário? Ô questão difícil!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Canhoteira



Como saber se sua bebê será canhota ou destra?

Em casa, Papai Vergueiro escreve com a mão esquerda e Mamãe Paixão com a mão direita. É a união dos opostos.

Até o momento, somos levandos a achar que Maria Alice será destra, como a maioria da população mundial. Ela se vira mais para o lado direito e apresenta primeiro também a mão direita para pegar as coisas.

Uma pena, papai queria que ela fosse canhota. Queria ter essa identificação com a filhinha, poder fazer brincadeiras sobre isso, discutir com ela as dificuldades de um mundo que esquece dos canhotos, rir da nossa incapacidade de usar uma tesoura como pessoas normais. Papai queria, enfim, que ela fosse igual a ele.

Vamos ver, realmente ainda não podemos definir se ela é ou não destra, temos apenas indícios. Uma hora Maria Alice pegará um lápis e começará a escrever. Aí saberemos de fato.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Quem puxou quem?



Como os amigos leitores e leitoras já sabem, Maria Alice tem uma personalidade muito forte. Longe de ficar quietinha no seu lugar só observando as coisas, ela praticamente se impõe com o seu choro e por isso acabamos ficando integralmente à disposição dela.

Nesse contexto, mesmo tendo a pequena apenas 5 meses de vida, passamos a observar algumas das suas características e a comparar as semelhanças com o nosso próprio jeito de ser. É o famoso "ela puxou você!"

Abaixo, listei alguns dos pequenos detalhes da filhota. Ela é realmente filha de quem é!

- Maria Alice tem um sono super leve: puxou a mamãe, papai não houve nem o choro da nenê!
- Tem alguma dificuldade para domir: puxou a mamãe, papai deita e ronca...
- Emite muitos gases durante o dia: puxou o papai, esse fedido!
- Faz manha o dia todo: puxou a mamãe, que adora um cafuné.
- Tem refluxo: pauxou o papai , que quase foi operado disso quando bebê.
- É chorona: puxou o papai, que já viu 2 Filhos de Francisco 5 vezes e chorou em todas elas
- Não pegou chupeta: puxou a mamãe, que tem dedos fininhos...
- Adora um banho: puxou a mamãe; eu já falei que o papai é fedido!
- É simpática com as pessoas na rua: puxou a mamãe, papai não sorri pra ninguém
- É beijoqueira: puxou o papai e a mamãe, aeehh!!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Garota Sorriso



Além de beijoqueira, Maria Alice também é uma garota muito sorridente.

No Chile, onde adoram bebês, ela chamou bastante a atenção com seu sorriso e graça, e a toda hora alguém nos parava para falar com a pequena. O assédio foi tanto que quando voltamos ao país percebemos que ela sentiu um pouco a falta de atenção na rua: os paulistanos se mostraram mais fechados em comparação aos chilenos.

Na verdade, já faz algum tempo que a Maria Alice começou a interagir com outras pessoas fora de casa, mais ou menos quando completou o quarto mês de vida (agorasão cinco!). Acabei deixando passar o assunto e esqueci de comentar essa que é hoje uma das atitudes mais legais da filhota.

Pelo que vejo nos bebês dos nossos amigos e amigas, a maioria desenvolve essa mesma característica, sorrindo desprentesiosamente para as pessoas e fazendo graça. A Vergueirinha, portanto, não é exceção.

Aqui em casa, como não poderia deixar de ser, nós adoramos esse sorriso e ficamos envaidecidos quando ela chama a atenção nos lugares em que passa. Eu, como bom pai babão, adoro exibi-la e não desgrudo da minha menina por nada!

- Mostra o sorriso para o papai, Maria Alice!!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

História sem fim




Finalizada a pesquisa com sugestões para o título do livro que consolidará os escritos sobre Maria Alice até ela completar um ano de vida, publico abaixo os resultados para que fiquem registrados e nos ajudem a efetivamente decidir o título em agosto:

Pergunta: O livro sobre a Maria Alice, deve ter como título?

- Crônicas de um Pai Babão - 6 votos
- Relatos da Vergueirinha - 1 voto
- Casos de um Bebê - 0 votos
- Maria Alice e Eu - 5 votos
- Pai por inteiro; A minha primeira vez - 2 votos
- Contos de Paternidade - 2 votos
- Outro título? - 1 voto

Saíram na frente então as "Crônicas" e a sugestão descaradamente influenciada pelo livro do labrador. Foram 17 participações, valeu gente!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Beijoqueira



Maria Alice aprendeu a beijar!

Acho que não faz nem dez dias que Maria Alice aprendeu a beijar. Ela agora reconhece uma buchecha e faz o movimento do beijo, da mesma forma como nós fazemos com ela desde que nasceu (e eu já dei muitos beijinhos nessa garota linda).

Não é um beijo estralado, nem longo, nem molhado o que ela dá. É um simples beijinho de leve, carinhoso, e expressivo o suficiente para nos estimular a fazer com que ela saia por aí beijando todo mundo e mostrando o que aprendeu de novo.

Na foto acima, por exemplo, ela estava beijando o Pedro, filho de três meses da Haialla, amiga minha da época do Direito São Francisco, a quem fomos visitar em Atibaia neste sábado, acompanhando os amigos João Victor e Natalie.

Até esse rosto barbudo do pai dela ela beijou hoje de tarde. Garota esperta!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Caras e Bocas



Na faculdade de administração aprendi que Freud já dizia cem anos atrás que a boca no bebê é uma região de prazer, e hoje com a experiência que tenho com a Maria Alice posso confirmar o quanto ele estava certíssimo.

Para minha filhota, a boca é sua porta de entrada com o mundo. Tudo que pega ela leva aos lábios, como em uma tentativa de descobrir o que é o objeto que segura e que sensações ele pode proporcioná-la.

Bonecas, pacotes, panos, copos, celulares, colares, brinquedos, dedos, meu nariz, o cabelo da Mamãe Paixão, nada escapa da boquinha pequena da Maria Alice.

Por outro lado, no entanto, nada dura muito tempo lá, uma vez que assim que os lábios identificam o sabor eles prontamente descartam o objeto, e é por isso que além de mamar a Vergueirinha não mantém mais nada em sua boca por mais do que alguns segundos.

E o mais engraçado ocorre quando um de nós está comendo ou bebendo tendo ela no colo. A Maria Alice simplesmente vira para cima e tenta alcançar o copo ou talher que estamos usando. Por inúmeras vezes tive que parar de beber o suco porque a mãozinha dela ficava empurrando o copo para o lado e eu naturalmente não conseguia ficar sério.

Em virtude dessa curiosidade dela, de se atiçar toda vez que temos algo em mãos para colocar na boca, aos poucos vamos testando sua reação com os sabores. Uma colher de iogorte que ela experimenta com a língua por cima, um suquinho de pêssego, etc., ela nem engole, só passa a língua sobre o alimento, e ficamos vendo sua reação, se gosta ou não gosta.

No sexto mês Maria Alice vai começar a comer de verdade. Aí as coisas vão ficar interessantes!

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Rolando Lero



Maria Alice se rola toda. Rola para uma lado, rola para outro, é uma roladora!

Faz cerca de um mês que ela começou a se mover para os lados por conta própria. A partir desse momento, não pudemos mais tirar o olho dela por um único segundo, pois qualquer descuido significaria sua queda do sofá ou da cama.

E é lindo ela rolando! Ainda não consegue dar uma volta  completa, porque um braço fica preso embaixo e ela não tem impulso, mas ela fica de barriga para baixo e levanta o pescocinho, parece uma tartaruga querendo sair do casco.

Olha para um lado, olha para o outro, agarra os brinquedos, ergue a cabeça e sorri. Ah minha menina!

Hoje a pediatra constatou que ela está pesando 6 quilos e meio e com 64 centímetros de altura. A tendência é não engordar mais, porque a pequena não fica parada e gasta energia se movendo o tempo todo. Nós já tinhamos percebido isso, naturalmente.

Acho que em dois meses ela estará engatinhando. Há um prazo normal para isso acontecer? Só falta mesmo é força nos braços e pernas dela, pois vontade é o que Maria Alice tem sobrando!

domingo, 10 de janeiro de 2010

Porta-retratos

Algumas fotinhos da Maria Alice, para nossa memória e deleite das leitoras e leitores deste blog:


Se protegendo do sol de Santiago.
 

Não fomos a Ilha de Páscoa, mas
tivemos o gostinho!


Vista da cidade, linda as moças e Santiago!


Com a mamãe, antes de sair.


Chegamos na praia.


Eu e as areais do Pacífico.


Vista de Valparaíso.


No parquinho com a Mamãe.


Em frente ao Palácio La Moneda, palco de
importantes fatos da história chilena.


Me refrescando antes de volta ao Brasil.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Galeão Cumbica


- É para eu seguir para lá com a bebê?
- Ah, o Sr. está com uma bebê? Não, pode ir direto então.

Foi como consequência do diálogo acima que nós evitamos ter que perder mais tempo no aeroporto de Cumbica, em São Paulo, tendo que fazer um raio-x da nossa bagagem para verificar se não estávamos ultrapassando os limites legais de bens adquiridos no exterior.

Ter um bebê em mãos facilita muitas coisas quando se precisa pegar filas, retirar documentos, etc. Já falamos sobre isso no blog. E de qualquer forma não tínhamos nada a temer, porque eu não trouxe um iPhone escondido na mala e não tínhamos mesmo superado o teto de compras, que me parece que são de 300,00 dólares apenas.

Bem, chegamos! Teve um pequeno atraso na volta por causa do vôo, parece que Guarulhos estava com pane no sistema (vai demorar muito para que o Aeroporto Internacional de São Paulo seja superado como o pior de todos os internacionais que já conheci), mas, enfim, pegamos o vôo e chegamos às 22:15 em casa.

Maria Alice esteve calma mais uma vez, uma maravilha. Mamãe Paixão notou algo de especial nela, como se ela se recolhesse no pouso e na decolagem, se retraísse, e tanto na ida como na volta ela mergulhou no colo e peito da sua mãe e não chorou, apenas aguardou o avião se estabilizar.

Foi bom, estamos tranquilos agora. Valeu a pena ir e nossos receios não se confirmaram, aproveitamos para sair da rotina, para conhecer um novo lugar e gastar as milhas da TAM. Vamos então marcar a próxima, porque parada é que a Maria Alice não quer ficar!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Vina y Val

Nos dois dias que passamos aqui em Vina del Mar Maria Alice esteve bem mais arisca. Provavelmente resultado da viagem no domingo e das caminhadas na segunda e terça, o fato é que desde quarta ela se mostrou mais intolerante a estar na rua, fazendo com que parássemos várias vezes para que mamasse e também ficássemos um pouco no quarto do hotel descansando.

Ainda assim, conseguimos passear bastante e com isso aproveitar o que a cidade tem de melhor para os turistas (eu inclusive conheci o Casino).

O clima por aqui esteve muito bom, melhor do que esperávamos de acordo com a previsão do tempo, e Maria Alice conheceu a praia e o mar, que por sinal estavam cheio de gente. Dificil saber a opiinão dela sobre a água salgada, mas as fotos deixarão o registro desse momento histórico quando toda a família conheceu o Oceano Pacífico e um país onde por-do-sol se dá no mar, e não o contrário, como no Brasil.

Nesta quinta fomos a Valparaíso, que fica aqui do lado. A cidade, no entanto, é praticamente toda montada nas montanhas, há inúmero elevadores para subir os morros, bastante assustador para um medroso como o papai aqui, e muito cansativo para quem carrega bebês de quatro meses e meio no colo, então pudemos aproveitar pouco da cidade e voltamos para descansar.

Sexta é nosso último dia no Chile. Vamos novamente a Santiago para os "finalmentes" e sábado regressamos ao Brasil. Tudo o que queríamos ver na cidade já visitamos, serão potanto nossas derradeiras horas antes do retorno à realidade.

A partir da próxima semana começaremos a pensar nas difíceis decisões que temos pela frente. Mamãe Piaxão eventualmente voltará a trabalhar e nosso apego à Maria Alice precisará será modificado para que ela fique um pouco menos dependente da mãe.

Estamos felizes. A viagem foi boa e necessária para todos. Mas não se pode fugir para sempre. Ou mudamos, e conseguimos adaptar a Maria Alice, ou vamos todos sofrer muito juntos. Pelo momento, vamos aproveitar o que ainda temos de tempo em terras chilenas.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

No Pacífico

É, quando estamos em viagem fica tudo fora de ritmo e apressado.

Mal tenho entrado na internet (o que é certo) e estou sem celular há 3 dias - encontrei vários na mesma situação, com sintomas de crise de abstinência. Enfim, a vida é só passear essa semana. Agora são uma da manhã e escrevo aqui escondido no hotel, enquanto as duas mulheres descansam para uma quarta-feira cheia.

O porquera aqui esqueceu o cabo da máquina fotográfica e por isso as fotos só no domingo, infelizmente. Tem várias já, algumas muito bonitas. Eu não gosto muito de fotos, sou descendente de português, minha vó que não gostava e dizia, mas Mamãe adora e bate várias da família.

Maria Alice tem se comportado maravilhosamente bem. Passou a dormir de tarde também, o que nos dá mais tranquilidade e certa liberdade de movimentos, e não fez mais escândalos. De regalo, ganhou roupinhas novas, que aqui são bonitas e bem em conta também.

Santiago é uma cidade ótima, no estilo de São Paulo, talvez um pouco mais organizada e com menos pobreza. O Chile é um país cujo nível de desenvolvimento supera o nosso e isso se reflete nas condições sociais.

Em Santiagos vimos o Palácio La Moneda, fomos ao Mercado Central, subimos o Cerro Santa Lucia e visitamos feiras de artesanatos. Também comemos o pollo chileno (frango), muito ruim, e experimentamos coisas novas, como refrigerante de mamão e o Mote con Huesillos, bebida de pêssegio com pedaços da fruta e muito grãos de trigo.


Os preços em geral são muito parecidos com os do Brasil, talvez um pouco mais baratos. Curioso é que tudo é contado na base dos mil pesos, uma passagem de metrô são 400 pesos, um almoço 3.000 pesos, muito diferente do real.


Agora chegamos em Vina del Mar e amanhã vamos levar Maria Alice para conhecer o mar pela primeira vez. Uma praia no Oceano Pacífico, que dizem ser fria, mas como o clima está bom provavelmente nem ligaremos. Vamos ver a reação dela á água salgada. Se puxar a mamãe, vai adorar!


Essa postagem era para falar da filhota, mas acabei passando as minhas impressões da viagem até agora. Estou com sono, cansado e está tudo escuro aqui. Vou dormir. Não deu nem para revisar o texto. Coisas de quem tá sem rotina alguma.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Partidas Dobradas



Partimos!

Hoje, domingo, é dia de viajar com a família. Maria Alice vai pegar um avião e chegar em Santiago do Chile, onde passará três noites, além de mais três noites em Vina Del Mar.

Ficamos na última semana um pouco receosos com relação ao, quase destistimos. Por algum motivo substimei o tempo de vôo de São Paulo a Santiago - 4 horas - e tanto eu como Mamãe Paixão acreditávamos que com quase cinco meses de vida Maria Alice já estaria mais tranquila. Não está.

Ela ainda dá um bom trabalho e mantê-la em paz por várias horas seguidas vai ser muito difícil, ainda mais somando o período em que vamos passar nos aeroportos nos dois países até estarmos no hotel. Estimo cerca de 10 horas no total, pelo menos, e nunca ficamos tanto tempo assim com ela fora de casa em um lugar desconhecido.

Já havia pesquisado um pouco sobre vôos com bebês a bordo e a única recomendação importante que me lembro era dar de mamar nos períodos de pouso e decolagem, para facilitar a adaptação da pequena à mudança de pressão.

Fizemos também uma lista de tudo o que é importante levar, e acho que não estamos esquecendo nada, de documentos a material de higiene, de roupinhas a remédios.

Então, lá vamos nós! Vou tentar postar uma ou duas vezes do Chile. Na volta conto o resto, já há muito a falar da Maria Alice, ela está crescendo mais rápido que a minha habilidade de escrever aqui suas transformações.

E rezem por nós, para que dê tudo certo na viagem, superemos as dificuldades e tenhamos ótimos momentos em familia. Abraços!