domingo, 28 de fevereiro de 2010

Separação


Amanhã Maria Alice começa no berçário. Depois de muita discussão, indefinição e dúvida, optamos por finalmente tentar o berçário como uma forma de Mamãe Paixão ter mais tranquilidade e retomar a vida profissional.

Já não era sem tempo, é verdade, e provavelmente agora Maria Alice sossegará um pouco também, além de ter que se adequar à rotina do berçário e não somente à rotina das suas próprias vontades.

Vamos sofrer um pouco nesse começo. Mais precisamente, Mamãe Paixão terá uma semana muito difícil. Leva um tempo para o bebê se adaptar à ausência da mãe e para piorar eu estarei fora alguns dias em viagem. Ausente, mas com o coração aqui.

O berçário escolhido é o Jardim Escola Conhecer. Fica aqui perto, não dá nem três minutos andando. Mamãe e Vovó Paixão foram visitá-lo na sexta e gostaram das dependências e da equipe. O preço também é bastante acessível para nós, e teremos a liberdade de organizar melhor os horários da filhota lá. Ela não vai ficar 12 horas por dia no berçário, nem 8, se bobear nem 6 horas por dia, ainda que em algumas situações precise ficar umas horinhas a mais. Esperamos ter feito a escolha certa.

Maria Alice também terá mais contatos com outros bebês, o que naturalmente pode resultar em algumas doenças. Rezando para que não aconteça nada grave, será a oportunidade para desenvolver o seu sistema imunológico.

Mamãe Paixão nunca ficou longe da sua filha. As duas são muito apegadas, são seis meses e meio de contato e carinho contínuo. Já estamos tristes antecipadamente pela separação, mas sabemos que ela é necessária. Vai dar tudo certo, será uma semana dura. Torçemos.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Sentadinha


Acho que já tinha comentado que Maria Alice gosta muito de ficar de pé. Às vezes, no nosso colo, ela quer levantar e brincar com a gente.

Quando questionada sobre o assunto, sua pediatra recomendou que não a estimulemos a ficar de pé. Isso pode forçar a coluna dela, que não está ainda preparada para aguentar o peso do corpo, e causar prejuízos no futuro. O certo mesmo é a filhota ficar sentada, o que não estava fazendo.

Começamos, entanto, a colocá-la realmente sentada. Um pouco difícil no começo, porque ela não estava acostumada, e aí não queria de maneira alguma dobrar as pernas. Deu trabalho, mas se acostumou. Na foto acima, está se divertindo com as inúmeras distrações que colocamos.

No banho, Maria Alice também dificulta as coisas. Só quer ficar de pé, e com isso fica mais complicado dar banho nela. Mamãe Paixão que tem sofrido um pouco com isso.

Bem, sentar no sofá e na cama ela já sabe. O próximo passo, segundo a pediatra, é ela cair para a frente e começar a engatinhar. Vamos ver. Já há alguns meses a colocamos de bruço para estimular isso, mas falta-lhe força. Uma dificuldade não vai durar muito, pelo jeito.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Cine Materna



Mamãe Paixão e Maria Alice foram ao cinema hoje!

Enquanto o pobre papai trabalhava, as mulheres da família resolveram fazer um passeio cultural e foram prestigiar a CineMaterna, uma sessão de filme para a família e os bebês.

O CineMaterna começou em São Paulo há dois anos com uma reunião de mães que sentiam falta de ir ao cinema e se organizaram para poder fazê-lo acompanhado dos seus respectivos filhos. Agora já virou até uma empresa social e está em várias cidades do país.

As meninas assistiram ao filme Hanani - Cerejeiras em Flor, uma co-produção alemã e francesa.

Confesso que achei que Mamãe não conseguiria assistir a produção toda, mas Maria Alice comportou-se muito bem, segundo relato pós-cinema. Brincou com outros bebês na sala do Espaço Unibanco Augusta, se distraiu com seus brinquedos, fez cocô duas vezes (tem trocadores, dá para limpar vendo o filme, tem até fralda e pomada - cortesia da Natura), enfim, não deu trabalho extra algum. E a sala tem um som mais baixo, o ar-condicionado mais leve, tudo perfeito para família.

Depois, ainda passearam pela Paulista, foram ao Parque Mário Covas, tomaram milk-shake de Ovomaltine - inveja! - pegaram o Metrô e voltaram para casa.

Agora vamos aproveitar uma próxima sessão que tiver, de sábado, para irmos todos juntos. Papai ficou muito feliz da pequena ir ao cinema e acha que não tem tecnologia que susbstitue uma tela gigantesca com som saindo por todos os lados. Viva a sétima arte!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Nhac, nhac orgânico!


É praticamente uma regra pediátrica: completou seis meses, começa a comer!

Introduzimos Maria Alice nas papinhas. Papinhas industrializadas, feitas em casa, frutas raspadas, massas amassadas, água mineral, etc. São dias de aventura na vida da filhota.

Ela dá muito trabalho para comer, fica brincando com as mãozinhas e inúmeras vezes pegou a comida, se sujou toda, foi horrível. Como não existem algemas de bebê (brincadeirinha), tive que segurá-la algumas vezes. E quando eu não estava, Mamãe Paixão teve uma bela dificuldade!

Algumas papinhas ela adorou, já com outras fez caretas. Não gostou da maçã, mas talvez o problema não seja a fruta e sim sua variação. Para comer banana deu trabalho, mamão ela gostou. A papinha de carne foi um sucesso, mas ainda não experimentamos a de goiaba com leite. Será que dá dor de barriga?

Meu alvo agora são as papinhas orgânicas. Tem uma loja (Empório da Papinha) em Moemabairro aqui perto, que faz e vende essas comidinhas de bebê produzidas com alimentos orgânicos. Não sei os preços, tentamos achar a loja, mas eu estava sem o endereço. Nessa semana quero dar um pulo lá e ver se são acessíveis. Adoro alimentos orgânicos, espero que no futuro a gente possa ter a opção de só se alimentar deles. Hoje, infelizmente, ainda são muito caros.

Com a introdução da comida e da água espero também que Maria Alice dependa um pouco menos do leite materno. Ela não vai abandoná-lo, e nós também não pretendemos deixar de dar o leite, mas talvez ajude a diminuir um pouco a demanda em cima da Mamãe Paixão e a gente consiga inclusive começar a armazenar leite para quando a filhota ficar sozinha.

São novos tempos, novas experiênicas. E Maria Alice cada vez mais linda!

*   *   *

Duas noites atrás Maria Alice acordou na madrugada chorando. Até aí, nada de novo.

Surpreendente foi minha reação ao choro dela:

- Pega o controle, pega o controle! - disse eu, ainda dormindo.
- Para quê? - respondeu Mamãe Paixão.
- Tá muito alto!

Pelo jeito tô achando que o choro dela é coisa de TV...

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

180 Luas



Maria Alice completou seis meses de vida hoje, 18 de fevereiro. Jamais esquecerei do momento do seu nascimento, quando a conhecemos pela primeira vez. Ela chorava, e se aquietou quando encostaram o seu rosto no de sua mãe e no meu.

Tanta coisa aconteceu nesse período... primeiro ela dormiu por uma semana inteira, só acordando para mamar. Achávamos que ia ser assim sempre, que ia ser fácil.

Então ela acordou para o mundo! Chorava o dia todo, pedia atenção e colo. No começo tentamos manter uma rotina nas suas mamadas, mas não conseguimos e a livre demanda entrou em campo. Ela tinha refluxo, descobrimos, e o melhor era deixá-la mamar sempre que tivesse vontade, além de ministrar alguns remédios básicos. 

Maria Alice dormia bem, então pelo menos conseguíamos descansar de noite.  Só Mamãe Paixão que tinha muito trabalho durante o dia, para pajeá-la.

O tempo passou e aos poucos a filhota foi se desenvolvendo. Começou a fazer sons, aprendeu a usar a mão, os pés, a manha. Passou a querer se levantar, a pedir as coisas com o seu choro, a sorrir e a gargalhar.

Ela então já cochilava de dia, o que significou dormir um pouco menos – e pior – de noite. Viajamos ao Chile e ela se comportou muito bem, aguentou as quatro horas de avião maravilhosamente. Mamadeira e chupeta nunca pegou, só se alimentando do leite materno no peito, nada mais.

Aos poucos, porém, foi demonstrando curiosidade em experimentar o que comíamos e bebíamos. Água, sucos, lanches, tudo ela queria colocar na boca. E finalmente chegou sua oportunidade! 

Maria Alice completa seis meses de vida pesando exatos 6 quilos e 995 gramas e medindo 66 centímetros de altura. Peso e tamanho razoáveis para a idade.

A orientação agora é introduzi-la à comida. Frutas serão amassadas ou raspadas para alimentá-la, água será um líquido novo para ela tomar com regularidade, sucos talvez surjam como uma opção.

Estamos ansiosos com o que vem pela frente. Maria Alice continua a dar muito trabalho e a deixar, principalmente, sua mãe exausta. Ela já não chora tanto, mas faz muita birra, pede muito as coisas e não consegue ficar parada.

Ao final dos próximos seis meses ela talvez já esteja andando. Aprenderá a se movimentar sem o nosso auxílio, ainda que isso na prática venha a significar que teremos que ficar ainda mais atentos, pois ela demonstra hoje querer se aventurar bastante por aí. 

Mamãe Paixão voltará a trabalhar e isso também marcará uma nova fase na vida da Maria Alice, que não terá mais sua mãe 24 horas por dia a disposição. Precisará, portanto, aceitar a mamadeira.

A ansiedade existe, é fato, mas ela não supera a felicidade. Felicidade por termos nossa filha conosco e por sermos uma família. Somos hoje melhores do que há um ano, e queremos evoluir como pais a todo o instante.

Parabéns Maria Alice, por esse “petit” aniversário seu. O presente, porém, é todo nosso!

*   *   *

Tem pesquisa nova no blog, sobre o assunto das comidinhas;

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Voa Voa


Foi muito gostoso o Carnaval com Maria Alice!

Fizemos um programinha traquilo, fomos para a chácara dos meus pais em Guararema, como já tinha antecipado na última postagem.

O clima ajudou muito e fez um sol de rachar nos dias em que ficamos por lá. Não vimos trios elétricos e nem bandas carnavalescas, mas pegamos muito piscina, fizemos churrasco e assim mudamos um pouco a rotina das pequenas Maria Alice e Bianca, esta última filha da Marisol e do Gilberto, que nos acompanharam na viagem, bem como os amigos Archimedes e Gustavo.

Bebês não interagem um com os outros. No máximo trocam voluntariamente sorrisos e beijos (a filhota já fez isso algumas vezes), mas não há de fato uma relação, eles ficam lado-a-lado e não se distraem uns com os outros, permanecem em seu "mundo infantil".

As diferenças entre eles, no entanto, não são nem um pouco sutis quando se tem mais ou menos meses de vida. Bianca nasceu há oito meses e adorou a piscina, queria nadar, brincar, se divertir. Já Maria Alice, que quinta-feira completa seus primeiros seis meses, não deu a mínima bola para a água. Mamãe Paixão, que adora praias e piscinas, bem que tentou, mas não conseguiu fazê-la compreender o que era aquela "banheira grande".

Na próxima oportunidade a levaremos novamente lá e vamos acompanhar a sua evolução. E no que vem, quem sabe, também já não comemoramos com ela pulando de verdade o Carnaval?

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Pula o Bebê


Amanhã partimos para o Carnaval, o primeiro de Maria Alice.

Não vai ser um Carnaval muito festivo, vamos viajar com a Mamãe Marisol, família e amigos, para a chácara dos meus pais, onde passaremos esses dias relaxando, comendo, bebendo, indo pra piscina, etc. Para quem ficou em casa no ano passado, só sentindo algumas pontadas (ainda não eram chutes) da Maria Alice na barriga da mamãe, já será um grande avanço.

A chácara fica em Guararema, e pelo site da Prefeitura acabei de verificar que não haverá carnaval na cidade, em virtude das chuvas ocorridas no mês passado. Mas se alguma atividade estiver acontecendo nas ruas, tentaremos participar também.

Mamãe Paixão e eu adoramos Carnaval, principalmente as festas populares, as mobilizações, as danças, as músicas. Não gosto muito da festa de Salvador, extremamente comercial, mas sou apaixonado pela farra pernambucana, onde se brinca a hora que se quer, do jeito que se quer e sem pagar nada por isso. De qualquer forma, em Salvador também tem muito carnaval de rua.

Independente de onde estivermos nesse e nos próximos carnavais, o que queremos é que Maria Alice cresça vendo o Carnaval como um momento de alegria, de festa, de descontração. Ela terá fantasias, irá aos bailes conosco (ainda existem?), vai para as ruas, vai dançar e cantar as marchinhas, fazer tudo que se deve fazer para curtir bastante.

Vai se divertir até cansar, como deve ser com toda criança que brinca o Carnaval. Então vamos pra Guararema, e boa farra a todos!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Emilinha Borba


 Aaaaaa
Eeehhh Ahhh
Ah Aaaaa
Eaaaaa
AhAh 
Eeehhh Ahhhh
Aeeeee
Ahhh Eehh

Assim faz a Maria Alice, cantando comigo o hino do tricolor paulista (sim, estou condicionando-a desde cedo).

Mas podem substituir por qualquer outra música, Cocoricó, Hi-5, canções de ninar, etc, que ela vai cantar do mesmo jeito, e vai cantar sempre.

Tá cada vez mais gostoso ficar com a Maria Alice nos braços, na cadeirinha ou na cama. Pouco a pouco, o mundo vai se revelando pra ela. E cantar é uma das melhores formas para isso!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Brincante Cantadora


Acho que eu vi Maria Alice brincar comigo!

Ela está nos braços da mamãe e eu faço graça com ela. Maria Alice dá risada e vira o rosto. Eu vou para o outro lado, ela dá risada novamente e torna a virar o rosto. Isso se repete mais umas duas ou três vezes, sempre com Maria Alice tomando a iniciativa.

É realmente muito gostoso ver o desenvolvimento de um bebê, muito recompesador para os seus pais.

Hoje ela descobriu sua cabeça, melhorando a percepção dela mesma e das mãos. Semana passada tinha descoberto os pés. Agora, vira e mexe, agarra a ambos e fica fazendo uma gangorrinha com o seu corpo.

Cantar também é algo que ela adora! Seja comigo, com mamãe ou Vovó Paixão, toda vez que a pegamos e começamos a cantar ela repete na linguagem dela. É muito bonito e gostoso, além de distraí-la.

Um pouquinhos mais e ela vai começar a brincar sozinha. Já pega os brinquedos, mexe com eles, mas não se diverte por conta própria. Só um pouquinho mais, e Maria Alice vai  saindo aos poucos do seu casulo de bebê.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Pedidos e Despedidos


Nos dois chás-de-bebê que realizamos para Maria Alice, um a convite do Papai e outro a convite da Mamãe, divulgamos uma enorme lista de ítens que poderiam ser dados de presente para a filhota.

Como pais de primeira viagem, não sabíamos exatamente o que ela iria ou não utilizar, por isso indicamos os ítens das listas que são publicadas nas revistas ou distribuídas nas lojas. Servem como guias para a compulsão consumista dos pais.

Agora, com os seis meses de Maria Alice chegando, já sabemos exatamente do que nossa filha mais precisa: de fraldas!

Fraldas são essenciais, e usadas em grande quantidade. Como resultado dos dois chás-de-bebê, até hoje não tivemos que comprar nenhum pacote para a filhota. Mamãe Paixão foi muito esperta ao pedir principalmente fraldas de tamanho médio, que são as que Maria Alice mais usa, e por isso tem estoque para mais uns seis meses!

Já em relação aos outros ítens da lista, alguns usamos, outros ainda estão embalados. Faz parte do processo, não é desrespeito ou demérito algum, já que todos os presentes foram recebidos com muito carinho. A gente realmente só não sabia direito o que de fato ia precisar para cuidar dessa garota linda que é a Maria Alice.

*   *   *

Na foto, nosso almoço de ano novo. Da esquerda para a direita, meus tios Jorge e Ângela, minha madrinha Lurdes, Mamãe Paixão, Maria Alice, Papai Vergueiro hoje e Papai Vergueiro daqui a 20 anos (na verdade, Vovô Vergueiro).

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Desafios


 Os leitores "fiéis" deste blog talvez tenham reparado que já há mais de um mês não reclamo das dificuldades que temos com a Maria Alice. Vão se lembrar também que aqui não passamos por aquele momento mágico dos "três meses", e ela continua dando hoje tanto trabalho como quando nasceu.

Maria Alice ainda é chorona, ainda é manhosa, ainda quer movimento, colo e peito. Basicamente, não mudou muito de atitude nesse período, mas se desenvolveu mais e passou a entender um pouco melhor quem e o quê está à sua volta.

Já nós, em casa, mudamos bastante. Passamos a lidar melhor com ela e com suas exigências e aos poucos aprendemos como fazê-la se distrair mais, como introduzir temas que chamem sua atenção e nos permitam fugir da armadilha de ficá-la carregando o dia todo.

Para as próximas semanas, no entanto, teremos alguns desafios que precisarão ser superados e que marcarão, definitivamente, a passagem de Maria Alice de uma fase totalmente dependente para uma segunda etapa do seu desenvolvimento.

Os desafios são:

1 - Maria Alice terá que aprender a dormir sozinha. Até hoje a filhota só dorme quando no peito de sua mãe ou, algumas vezes, quando carregada, o que evitamos ao máximo fazer. Ela precisará se acostumar a dormir sozinha e entender que quando vai para o berço é para o sono, não para o choro. Isso vai ser muito difícil para nós, vamos sofrer para conseguir alcançar esse entendimento nela, mas teremos que ir fundo.

2 - O peito deixará de ser sua única fonte de alimento. Papinhas serão introduzidas na dieta da Maria Alice e ela terá que aprender a se alimentar com outros produtos além do leite materno. Essa tarefa talvez não seja tão difícil, pois a filhota já demonstra um grande grau de curiosidade com o que comemos e quer experimentar tudo o que levamos à boca.

3 - Maria Alice terá que usar a mamadeira. O leite materno é hoje a única fonte de alimento de Maria Alice, e ele é dado por meio do peito de Mamãe Paixão. Como Mamãe voltará a trabalhar em breve, a filhota terá que se acostumar com a mamadeira também, além das papinhas, ou não terá o que beber por bom período do dia.

4 - Mamãe Paixão vai ter que se separar de Maria Alice. Esse é talvez o momento mais doloroso para uma mãe, que é o de ter que abrir mão do seu bebê por algumas horas. Será necessário, mas causará muito sofrimento no primeiro momento, tanto para a mãe como para a filha.

Espero que daqui a dois meses, no máximo, já tenhamos conseguido superar todos esses desafios. Se conseguirmos, nossa vida em família vai evoluir e nossa relação com Maria Alice também. Mamãe Paixão estará mais tranquila e eu, naturalmente, ainda mais feliz. Vamos ver!