segunda-feira, 31 de maio de 2010

Cócegas


Domingão de noite, família no sofá assistindo a um dos últimos episódios da série de detetive americana Monk (papai gosta de mistérios, mamãe se interessa pelo personagem com TOC), luz apagada, e começamos a fazer cócegas na Maria Alice.

Ah, como são gostosas as risadas de um bebê! Preenchem nosso coração de alegria e conforto, nos fazem amar ainda mais essa figurinha pequena, que dá trabalho, mas é motivo de felicidade e satisfação acima de tudo.

Bebês têm cócegas, portanto, e aos poucos vamos descobrindo os pontos fracos da Maria Alice. Pés e a barriga são, por enquanto, vulnerabilidades já percebidas. Que ela não descubra as do papai, quando crescer. Sou um homem frágil para "cosquinhas", ainda mais se vierem da filhota.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Atrás das grades

Prendemos Maria Alice! Prendemos, acabamos com sua liberdade, e estamos fazendo isso desde que ela nasceu. Primeiro ela conheceu as grades no berço, controlando o livre deslocamento da filhota no colchão, e agora vamos instalar as barreiras que impedirão o seu movimento pela casa.

Quer descer as escadas? Só no colo do papai e da mamãe. Quer subir os degraus? Espera, a gente te leva lá! Segurança é segurança, e não tem como evitar tomar essas precauções, que são para a tranquilidade de toda a família.

Vai se acostumando com as grades, filhota, vai se acostumando. Elas são apenas uma das muitas barreiras que você ainda conhecerá na vida.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Crianças, cuidado! Maria Alice está solta por aí!


Se tem alguém que gosta de uma criança, essa pessoa é a Maria Alice. E como gosta! Todo bebê e criança pequena que vê, ela tenta agarrar e brincar. Sorri, grita de alegria, e dá um belo de um aperto quando consegue.

Já não são poucos os exemplos de crianças desavisadas que se assustaram – e até começaram a chorar – depois de uma abordagem nada elegante da filhota. Ela, naturalmente, não percebe que muitas vezes ao abraçar um outro bebê está por machucá-lo, e parece que quanto mais as crianças resistem em ser abraçadas, mais força Maria Alice usa para isso.

Mamãe Paixão, já precavida e experiente, toma os devidos cuidados para que a filha não chateie ninguém. Ela, na verdade, só quer brincar, e gosta muito de outras crianças. Mas ainda vai levar um tempinho para saber medir sua força e controlar adequadamente os seus movimentos.

Até lá, crianças, cuidado que Maria Alice está na área!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Fumaça pelas Ventas


Estou muito bravo com o berçário da Maria Alice!

O pessoal lá é muito simpático, as moças gentis e solícitas, mas mal a matriculamos e já percebemos que é uma escolhinha igual àquelas das quais eu sempre quis distância: as que pedem dinheiro para tudo!

Dia das Mães? "Tem um presente lindo por 30 reais. Não vai querer, mamãe? Mas vai com a foto da filhota, você vai adorar!" - disseram as cuidadoras.

Não satisfeitas com a recusa de Mamãe Paixão, fizeram o presente - uma bolsa térmica com a foto da Maria Alice impressa - e disseram que veio sem querer (sim, e a Maria Alice também posou para a foto sem querer!)

Gripe suína? Tem que comprar gel? Vamos ratear com os pais, e o berçário contribui solidariamente com 10% da despesa. Generosos!

Junho tá chegando, lá vem Festa Junina! Quem vender mais votos a 1 real vira Miss Caipirinha. Se não quiser vender votos ou trazer prendas, é só contribuir com 50 reais para a festa. Estamos fora!

Tem mais? Ô se tem! Julho é mês de férias do berçário (e eu lá tenho férias? - tá bom, 95% dos pais devem ter essa mesma dificuldade), mas se a gente quiser levar a filhota lá para as "atividades extas", custa só R$ 330,00 pelo mês! Tenho que virar professor em tempo integral logo.

Eu até acho que estava preparado para ser pai, não tenho dúvida disso. Mas não estava pronto para lidar com a escolinha...

sábado, 22 de maio de 2010

É fácil ser homem

Se quiser, abandono tudo! Voltar a ser solteiro, a morar sozinho, a ir nas farras, nas baladas, sair para dançar, para namorar. A viajar pelo país, pelo mundo, não ter responsabilidade alguma, preocupações. Evitava trocar fraldas, dormir tarde, acordar cedo, perder a hora, dar remédios, ir no hospital, consultas, clínicas, etc.

Ser homem é fácil. Eu poderia fazer tudo isso, deixar a criança com a mãe e ir curtir a vida. O homem não tem vínculo biológico com o bebê, não dá de mamar, a criança não saiu de dentro dele. Quando covarde, o homem foge e some. Quando responsável, pelo menos ajuda de alguma forma, está presente.

O vínculo do homem com o bebê está no coração, no afeto, no amor. É o sorriso da filha que amolece o rapaz, o choro que o deixa preocupado. O vínculo está no sentimento, no reconhecimento que ser pai é um dom que nos faz partilhar de parte do poder divino de criar, de gerar a vida.

Eu escolhi essa vida, optei que fosse assim e é isso o que quero. Não troco nada do que tenho e conquistei, que são as duas mulheres que amo. Com elas quero ficar e ampliar a família.

É muito fácil ser homem, difícil é ser pai. E eu faço de tudo para que minha filha saiba que tem um que é louco por ela.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Papá


Eu bem que gostaria, mas não tenho a pretensão de comemorar que Maria Alice disse seu primeiro papá. É cedo ainda, e mesmo tendo completado ontem nove meses de vida desde o seu nascimento, não creio que seja possível para ela formar e expressar conscientemente qualquer palavra em língua portuguesa (ainda que a filhota faça sons o dia todo para chamar nossa atenção, pedir algo e reclamar - e como ela reclama!).

Mas esse é meu lado racional escrevendo.

E eu ouvi, eu juro que ouvi um papá! Não é engano de um pai ansioso pelo desenvolvimento de sua filha que acha que ela consegue fazr tudo em pouco tempo, eu realmente ouvi alguma coisa.

Pode ter sido um babá, ou um cacá, ou tatá, mas Mamãe Paixão estava por perto e não me deixa mentir sozinho: Maria Alice falou papá!!

domingo, 16 de maio de 2010

Virada Cultural



Hoje participamos do maior evento cultural da cidade de São Paulo, a Virada Cultural.

A Virada é um evento muito bacana, com 24 horas ininterruptas de atividades culturais, realizada já há uns 5 anos, e que eu e Mamãe Vergueiro sempre participamos. Na foto, a filhota está em frente a uma instalação artística na escadaria do Teatro Municipal.

Quase não fomos, no entanto. Maria Alice tem vomitado as refeições desde quinta-feira. Come, vomita. A febre apareceu ontem, sábado, e está sendo tratada. Uma rápida visita ao hospital indicou a possibilidade de um rotavírus, que deveria vir acompanhada de disenteria, mas esta ainda não se fez presente. Mesmo assim a alternativa conservadora era ficar em casa, tratando dela.

O passeio pelo centro da cidade, porém, mostrou-se acertado. Maria Alice começou xoxa, sorumbática, mas aos poucos foi recuperando energia e mostrando o seu sorriso tão habitual. Comeu por lá, e depois jantou em casa sem vomitar novamente. Ufa!

Agora Mamãe Paixão está ao lado tentando fazê-la dormir e descansando um pouco junto. Estamos os dois bem cansados pelos cuidados extras que Maria Alice demandou (e por ela não nos ter deixado dormir direito nesse final-de-semana). Hora de ir para cama!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Birrenta


Coloquei no blog uma pesquisa sobre como agir agora que Maria Alice aprendeu a fazer birra. Tem vezes que reclama tanto, que implica tanto, que sabemos que quer somente impor a sua vontade de bebê chamando nossa atenção para niná-la.

As respostas à pesquisa até o momento indicam que devemos deixá-la "birrar até cansar". Talvez essa seja a opção mais adequada realmente, mas a birra se transforma em choro e o choro se converte em aperto no coração dos pais, aí fica tudo mais difícil.

Pequenas broncas já foram aventadas como uma boa possibilidade. Mamãe Paixão exercita essa alternativa algumas vezes (Papai demonstra ser um bananão para isso), mas em todas elas Maria Alice se sobrepõe ao silenciar por alguns segundos e logo em seguida abrir um belo sorriso, como a nos conquistar com sua graça.

Confesso que fico ansioso para que ela desenvolva logo sua capacidade de compreensão. Quando aprender o significado da palavra "não", tudo ficará mais fácil para nós. E uma vida de restrições começará para ela.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Parque de Diversões


Casa arrumada nunca mais!

Agora que Maria Alice aprendeu a sentar e a brincar, nunca mais conseguimos deixar a casa verdadeiramente organizada. A sala, principalmente, virou um parque de diversões: brinquedos por todos os lados e esparramados pelo chão.

Como todo bebê (imagino), os brinquedos preferidos da filhota são os que fazem barulho, em geral chocalhos ou instrumentos musicais. Mas há também as bolas. Ah, como a Maria Alice gosta de uma pelota! Será esportista, talvez? Por via das dúvidas, já temos três diferentes modelos em casa, e ela se diverte com todos eles.

Tudo bem que a casa não volte a ficar arrumada. Hoje é a a sala bagunçada, amanhã será o seu quarto. No futuro, não tenho dúvidas, sentirei falta desses momentos. Deixa eu ir aproveitar com a filhota então, tchau!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Pequena Einstein


Um pai logo descobre que bebês têm vontade própria:

- Quer comer? Chora.
- Quer dormir? Chora.
- Quer colo? Chora.
- Quer leite? Chora.
- Quer a mãe? Chora.

Não há nada que a faça parar, nada que mude sua atitude, a não ser a plena satisfação da sua vontade.

Sei lá. Às vezes tenho a impressão que Maria Alice também sabe ser muito manhosa para conseguir o que quer. Aprendem rápido esses bebês!

sábado, 8 de maio de 2010

Dia da Mamãe Paixão



Três gerações se reunirão domingo para celebrar o Dia das Mães: Maria Alice, Mamãe Paixão e Vovó Paixão.

Essa data nunca me foi muito tradicional, e na família no máximo fazíamos uma feijoada na casa da minha avó. Acho que também poucas vezes comprei presentes, apenas fazia questão de cumprir o ritual de estar com minha mãe nesse dia, algo que faço até hoje.

Agora a situação mudou um pouquinho. Além de filho, sou pai também, e tenho uma segunda mamãe a presentear. Por causa disso, eu e Maria Alice vamos "bater perna" neste sábado, escolhendo uma lembrança simples, algo que a Mamãe tenha só para ela, para sentir é mãe e também mulher.

Ainda assim, nesse primeiro Dia das Mães das minhas duas mulheres, o mais importante é que estejam juntas, se amando muito, como deve ser todos os dias. Parabéns Mamãe Paixão, sua família te adora demais!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Diagnóstico: Otite


Parece que Maria Alice está com otite, um incômodo que que atinge os bebês e afeta o ouvido, causando irritação, um pouco de febre e muito, muito choro, e podendo levar até a surdez.

Nós não temos como saber se é verdade, mas se a pediatra diz que ela tem, então ela tem. Por isso, já comprei o remédio para e vamos tratá-la para garantir a cura plena.

Mamãe Paixão é alérgica ao antibiótico que tem no remédio da Maria Alice, e vamos ministrá-lo com calma para verificar se ela apresentará reação ao medicamento.

Como nas últimas semanas a filhota apresentou variação de comportamento, passando a acordar mais vezes de noite e a chorar um pouco mais de vez em quando, além de manter um resfriado constante, o diagnóstico pode estar mesmo correto.

Fora isso, com oito meses e meio de vida, Maria Alice pesa agora oito quilos e tem 66 centímetros de altura. Está no padrão para a idade. E está registrado no blog!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Gatinhando


Estamos todos ansiosos por ver Maria Alice começar a engatinhar.

Ela está quase lá. No chão, se distrai com seus brinquedos e depois de algum tempo projeta-se para frente, ficando de bruços. Mexe as perninhas, mexe os braçinhos, mas ainda pouco consegue fazer. Hoje acho que ela andou uns dez centímetros, mas isso provavelmente é puro otimismo paterno.

Estamos estimulando a filhota para que ela aos poucos aprenda cada vez mais movimentos. Já fica muito de pé, mas se conseguir engatinhar agora, já que andar só daqui a alguns meses, alcançará um outro estágio em seu desenvolvimento, dando a ela mais liberdade em casa e também no berçário (onde geralmente passa o dia parada, o que nos deixa tristes).

Sabemos que vai dar mais trabalho quando ela começar a se mover por aí, mas já estamos preparados e no aguardo. O tempo passa tão rápido quando se ama!