segunda-feira, 30 de maio de 2011

Bachiana

Já temos uma sucessora para José Carlos Martins, o mais famoso pianista brasileiro!

Vejam o vídeo abaixo e acompanhem a desenvoltura da Maria Alice no teclado. É ela que pede para tocar, liga o aparelho e manda brasa nas teclas. Falando honestamente, já toca melhor do que eu! (O que não é muito difícil, efetivamente).

Isso que dá viver em casa de musicoterapeuta. O que na minha infância representavam  gibis - eu vivia rodeado por eles, e respirava leitura - para a filhota provavelmente serão os instrumentos musicais, que estão em todos os cantos da casa.

Espero, quando ela começar a fazer aulas de música, que tenha a paciência de me ensinar pelo menos a a ler as notas, dedilhar um violâo, etc. Quem sabe até não fazemos aulas juntos?

Toca pro Papai, filhota!

video

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Pau Mandado


Maria Alice gosta de mandar. Acho que provalmente a maioria dos bebês também o gosta, até efetivamente aprenderem quem realmente dá as ordens de verdade em casa.

Mamãe Paixão diz que, no nosso caso, a filhota ainda tá no controle, e que o Papai aqui é basicamente um “pau-mandado”. Não concordo, claro, e retruco dizendo que apenas deixo a Maria Alice ter mais liberdade porque ainda não consigo dialogar efetivamente com ela. Mentira, na verdade gosto de vê-la exercer suas vontades totalitárias enquanto ainda pode, nesse momento em que nós pais, e a vida, ainda não a restringimos de fazer muitas coisas, o que um dia vai mudar.

Por isso que a incentivo a jogas as coisas no chão, e muitas vezes até jogo antes para dar o exemplo. Só Mamãe Paixão que não gosta muito disso...

De qualquer forma, ela também fala muito “nãos”. É firme naquilo que quer e no que não quer, e seus “nãos” têm tanto o charme como a implicância de uma criança em fase de imposição das suas vontades. É até hoje a palavra que mais fala.

O “sim” inexiste no seu vocabulário, e ela usa muitas vezes o “qué”. Bacana é quando tenta tirar as pessoas do sofá para sentar nos seus lugares, faz muito isso com os avós, que geralmente cedem.

Mas Maria Alice já começa a levar broncas também, e ficou de castigo algumas vezes. Sabe o que significa “castigo” e até chora antecipadamente se ameaçamos recorrer a ele, mas não aprendeu ainda a deixar de fazer alguma arte que não gostamos. Fica sem graça quando brigamos com ela, sorri envergonhadamente, tenta consertar o erro e até faz carinho em nós, mas em seguida volta a repetir a falha.

Todos estamos aprendendo juntos, e agora vai ficar um pouco mais difícil com a gravidez de Mamãe Paixão. Aguardo algumas mudanças no comportamento da filhota, talvez ciúmes quando nascer o bebê, mas isso é tema para outro texto no futuro.

domingo, 22 de maio de 2011

Tomo II


Com a notícia da gravidez de Mamãe Paixão este blog começa uma nova fase. Sua terceira, ou quarta, se o dividirmos em 1) pré- Maria Alice; 2) os 12 primeiros meses; 3) a filhota crescendo e, agora, 4) um irmãozinho (ou irmãzinha).

O blog tinha duração prevista apenas para as duas primeiras fases, e os leitores mais antigos vão se lembrar da proposta de finalizá-lo com a publicação de um livro com os principais textos e fotos, que ficaria de legado para a Maria Alice assim que ela completasse um ano de vida. O fato é que não fiz nenhuma das duas coisas.

O blog não parei de escrever, ainda que tenha diminuído o ritmo e a pressão a que me impunha para manter uma rotina de cerca de três textos semanais. Mas o fato é que adoro escrever, farei muito isso agora no mestrado também, e manter essas linhas foi uma forma que encontrei de dar vazão a essa prática que estava desenvolvendo pouco na época

O livro também não publiquei, e optamos em casa por levar a família toda a uma viagem internacional que fiz no final de 2010, sendo que os recursos financeiros existentes foram então todos "desviados" para esse programa a três. Foi uma ótima decisão, é claro, e a publicação não foi nem um pouco descartada, ainda que agora pense em fazê-la inicialmente apenas digitalmente. Mas já tinha orçado revisão de texto, registro, etc.

A verdade é que a partir deste momento começo uma nova fase no blog. Não vou parar de escrevê-lo, como uma vez já pretendi, mas também busco não repetir o que já foi dito na primeira gestação de Mamãe Paixão, então a ideia é partir para entender o quão diferente é ter uma nova criança já contando com um bebê em casa. Vou tentar entender o impacto, as dificuldades e facilidades, a adaptação necessária, o processo de apresentação do irmão à Maria Alice, etc.


Bem, vamos em frente. Estou bastante inspirado em virtude da nova gravidez, e já separei um bom número de assuntos para tratar por aqui. Tem chão até o nascimento do caçula. Boa leitura!

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Grávido

 
- Papai está grávido, Maria Alice.

Acabei de confirmar. Fiz o exame na terça e ontem, quarta, já saiu o resultado. O valro de referência, para dar positivo, era 25,0 mUl/mL de Gonadotrofina Coriônica Humana (HCG) no sangue. Meu exame deu 60.521,0 mUl/mL. 60 mil! Estou muito grávido! Segundo pesquisei na internet, são mais de oito semanas de gestação já. E como é que não tinha percebido antes?

Só que agora vai ser mais difícil, filhota. Se antes a Mamãe só cuidava de mim, das minhas dores e minhas transformações, agora ela tem que cuidar de você também: te banhar, alimentar, ninar, e até "aguentar" suas implicâncias e birras.

Eu já estou enjoando, já estou mais cansado e sentindo as mesmas dores nas costas que senti antes de você nascer. Não estou dando conta, e preciso que a Mamãe ajude mais na casa, lave a louça, estenda a roupa, deixe tudo no lugar. Ela costuma ser muito bagunceira, assim com você!

Não importa que o nível de dedicação da Mamãe à família tenha que ser ainda maior agora, mesmo assim ela está dando pulos de alegria. Está um pouco preocupada, é verdade, pois os três primeiros meses da gestação são muito sensíveis, o índice de abortos espontâneos é naturalmente grande, e eu não quero perder essa criança que está dentro de mim. É uma vida, minha filha, é uma pequena criança que depende integralmente desse pai, e toda a vida humana tem que ser amada e preservada, dentro ou fora da barriga de quem a leva.

Filha, vamos ter que fazer alguns sacrifícios agora, pode ser? Não vou mais poder te amamentar, e sei que vai sofrer com isso. Meu médico não deixa, diz que isso faz com que os nutrientes que deveriam ir para o seu futuro irmão/irmã sejam compartilhados com você, prejudicando o desenvolvimento da criança. E não queremos isso, não é mesmo?

Será o primeiro dos seus sacrifícios, minha paixão. Perderás o reinado da casa e a dedicação exclusiva dos seus pais, mas nunca perderá o amor que temos por você. Quando se tem um outro filho, Maria Alice, o amor e carinho não são divididos, eles se multiplicam!

Você vai sofrer, querida, mas vai entender. Vai ter companhia para brincar, poderá cuidar do bebê assim com cuida das suas bonecas, dá de comer, faz dormir.

Vai ser seu caçula, e você será a inspiração dele quando crescer. Sofrerá um pouco por isso também, por ter que dar o exemplo, mas sua personalidade forte e dedicação te permitirão superar isso com tranquilidade. Afinal de contas, você é a primogênita dos Paixão Vergueiro.

Filha, cuida bem do Papai nesse período, tá? Reze um pouco, peça a Deus que sejamos abençoados, e mande muita energia positiva. Papai está doido para ter essa criança, e quer amá-la completamente, assim como ele já te ama.

Somos uma só família, e como uma só família ficaremos para sempre. Obrigado, Maria Alice (e desculpe esse Papai emotivo, são os efeitos da gravidez)!

domingo, 15 de maio de 2011

Intrigas da Oposição



Indícios recentes têm feito parte dos Paixão Vergueiro suspeitar de um substantivo futuro crescimento familiar (previsto para daqui a nove meses, para ser exato).

Enjôos, dores nas costas, cansaço exacerbado e até um exame de botica reforçam as suspeitas, cuja confirmação só se dará durante a semana, após exames laboratoriais devidamente realizados.

A oposição, liderada pela Srta. Maria Alice, diz que tudo não passa de boatos, que ela ainda é a rainha da casa e assim o será por muito tempo.

Vamos ver, vamos ver. Papai está ansioso para sair gritando pelas ruas a boa nova, mas é bom precaver-se. Aguardemos notícias em breve, obrigado.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Machucada


Como uma criança, Maria Alice não tem lá muita censura das "estripulias" que faz, e por isso se machuca muito, como irá se machucar até crescer. Eu gosto, e confesso que dou certa liberdade para ela fazer isso, bater a cabeça na mesa, escorregar, trombar com a porta, etc. Gosto porque acho que ela aprende com isso, fica esperta, se liga que há limites em algumas de suas atitudes e que estas podem se virar contra ela e prejudicá-la. Claro, curto só até o momento em que não é nada grave, naturalmente não vou deixar que saia por aí andando pela rua livremente (e olha que se bobear ela faz isso mesmo!).

O problema é que a filhota parece ter puxado uma característica da sua mãe, que é bastante sensível para machucados e costuma ficar com sua pele sempre marcada quando algo acontece. Então vira e mexe a Maria Alice está vermelha em alguma parte do corpo, ainda que pelo jeito não tenha percebido isso - principalmente porque depois da batida não dói, fica só a marca mesmo.

Bem, vamos ver como vai ser nos próximos meses, e se essa tendência se confirma. Fui uma criança sortuda e nunca precisei imobilizar parte do corpo, mal fui parar no hospital, uma vez ou outra só por gripe, alimento contaminado ou luxação nas mãos (era goleiro). Espero que ela tenha essa sorte e seus machucados sejam sempre leves e inofensivos (ainda que eu confesse certa ponta de inveja das crianças que tinham gessos para as outras assinarem mensagens).

domingo, 8 de maio de 2011

Efeito Papai


Nada mais adequado do que falar do Papai no terceiro Dia das Mães de Mamãe Paixão (começamos a contar desde a barriga, daí ser o terceiro, ainda que a filhota não tenha completado os dois anos de vida).

O que motiva este texto foi uma observação curiosa que fizemos recentemente: Maria Alice modifica o seu comportamento sempre que viajo e ela fica só com sua mãe.

Nesse semestre, por motivos profissionais, completei mais de um mês fora de casa em quatro grandes viagens realizadas, de média de uma semana cada. Percebemos que, ao contrário do imaginado, a filhota dá menos trabalho para Mamãe Paixão quando não estou e se comporta melhor, dorme melhor, se alimenta melhor.

Isso ficou patente na última semana, quando ela dormiu relativamente bem nas quatro noites seguidas em que estive em Belém (o que isso significa pelo menos umas seis horas seguidas). Porém, assim que regressei, foram duas noites péssimas, acordando múltiplas vezes sem que nada em sua rotina tenha sido alterado para proporcionar isso.

Também com Mamãe ela mudou o comportamento. Nos dias dia viagem não fez muito "doce", não chorou e não deu tanto trabalho. Quando voltei, voltaram junto as implicâncias e as "birras", e agora sempre que Maria Alice é contrariada pede meu colo chorando.

Seriam apenas meros detalhes, se a mudança de postura dela não fosse tão flagrante. É como se percebesse - e ela realmente percebe - que sua mãe está sozinha e que por isso precisa "pegar mais leve". No fundo, é apenas uma grande bebê que entende cada vez mais o mundo ao seu redor e, felizmente, demonstra ter um grande coração e carinho pelos seus pais.

Espero que tenham tido um excelente Dia das Mães!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Cascuda


Ela gosta de um banho, e gosta de escovar os dentes, e gosta de lavar as mãos, e gosta de limpar o cabelo, e é muito ligada em higiene.

Enfim: Maria Alice não puxou o Papai, esse porcalhão!