quinta-feira, 26 de abril de 2012

Operação (do) Papai


Bem, não teve jeito e acabei sendo operado semana passada. Foi na quarta-feira, dia 18 de abril, a primeira operação da minha vida, e graças à anestesia geral que meu amigo de infância Daniel Varoni Schneider me deu (em uma dessas boas coincidências da vida), eu sequer vi coisa alguma.

O problema foi o pós-operatório... e por causa dele estou plantado em casa por pelo menos quinze dias, em repouso e sem poder fazer esforço. Mamãe Paixão é que está tendo que dar conta de tudo, de duas meninas, um "macho machucado" e as demandas do Música Materna. É uma leoa essa Mamãe, e se não fosse ela as coisas estariam muito mais difíceis por aqui.

A Tarsila, no seus quatro meses recém completos, não sabe o que está acontecendo. Já Maria Alice percebeu a ausência do Papai, que totalizou uma semana internado, mas não sentiu muita falta minha não. O motivo foi que contamos com a sempre confiável presença da Vovó Paixão, a leoa-mãe, e sem ela a Mamãe teria tido muitas mais dificuldades na minha ausência.

Maria Alice foi me visitar na sexta e viu o acesso em meu braço. Eu reparei o olhar dela desde o primeiro momento, e vi o quanto ela ficou desconfiada e intrigada. Ela sabia que o Papai estava doente e que estava no hospital para ficar bem. Quando voltei para casa, no dia seguinte, ela instintivamente pegou a minha mão e fez carinho. É muito graciosa a minha filha, ela mesma não percebe o quanto sabe ser meiga e gentil. E eu sou louco por ela!

Bem, estamos todos em casa agora. Ainda que eu não possa fazer muito para ajudar, pelo menos fico mais tempo com as meninas. E é sempre bom estar com a família!

terça-feira, 17 de abril de 2012

Papai tá dodói

Papai Vergueiro está internado, pobrezinho. Começou na madrugada de sábado, ele foi fazer uma checagem no Hospital Santa Catarina e não saiu mais de lá, eles não deixam! Esse hospital é dureza, e com a Tarsila foi a mesma coisa, e ela ficou lá quatro dias. Papai já indo pro terceiro... O mais difícil pro Papai é ficar longe da família. As meninas até foram visitar no domingo, mas a presença durou pouco e hospital não é lugar para elas, quando saudáveis. Bem, vamos torcer para o Papai sair logo, né? Ele não tem nada grave, e tá fazendo muitos exames para confirmar isso. Volta logo, Papai!

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Carminha


Tarsila é calma, calma! Sabem o que significa eu dizer isso? Que a Tarsila é completamente diferente da Maria Alice, e exatamente do jeito que a gente gostaria que a filha mais velha tivesse sido e não foi.

Com a Tarsila a gente consegue fazer uma refeição juntos, sem precisar que um fique com ela no colo enquanto o outro come. Com a Tarsila a gente consegue ficar vendo novela, com ela nos olhando e sorrindo. Com a Tarsila a Mamãe consegue ir para a rua, fazer reuniões e trabalhar com mães e bebês no Música Materna.

Tarsila é tudo do "bão" e do melhor!

Aqui em casa, inclusive, quem continua dando mais trabalho é a Maria Alice, que é manhosa, meiga e maravilhosa na sua capacidade de chamar nossa atenção.

Como goiabada com queijo, tenho duas filhas que se completam nas suas distintas características. Igualzinho como tinha que ser!

domingo, 1 de abril de 2012

Abandonado


Não, o blog não está abandonado, eu é que priorizei outras "tarefas" nas últimas semanas.

Março foi um mês corrido: fiz duas viagens a trabalho, assumi a presidência da ABCR, ajudei Mamãe Paixão a levar adiante o Música Materna (fizemos novo site e começaram novas turmas), e tomei conta das meninas. Ah, as meninas!

Maria Alice está ótima, já está novamente adaptada à antiga escola e suas crises nervosas diminuíram fabulosamente. Ela tem mais problemas quando está sozinha com a sua mãe e a Tarsila, mas fora isso consegue se divertir bem comigo e com os avós.

Tarsila  está recuperada da internação no final de fevereiro. Não ficou mais doente, e é muito mais tranquila que a sua irmã. Nossa, quanta diferença! Fico lembrando de como era com a Maria Alice quando ela tinha três meses, e de quanto tivemos que nos dedicar exclusivamente a ela, e vejo como a Tarsila é um anjo. Por incrível que possa ser, aqui em casa quem dá mais trabalho ainda é a Maria Alice.

Bem, acho que vou voltar a escrever mais. Vamos ver como andam os próximos dias. Só nesse final de semana, sozinho em casa, tive que fazer quatro trabalhos diferentes para dar conta de todo o atraso. Fora as leituras do mestrado. Mas espero que agora dê para dar mais atenção às meninas.